Translate this Page

Rating: 3.3/5 (622 votos)

ONLINE
3





Partilhe esta Página


28 de Junho - Lucas 11,1-13
28 de Junho - Lucas 11,1-13

Instruções para a Leitura, Meditação, Oração e Contemplação do Evangelho do 17º Domingo do Tempo Comum – Ano C – 27 de Julho 2019 - Lucas 11,1-13

 

1.Leitura:  Procure fazer silêncio interior e exterior e leia calmamente o Evangelho proposto (mais de uma vez se for preciso). As perguntas que se seguem são para colaborar para que o exercício seja diálogo com Jesus. Use-as, se achar que podem realmente lhe ajudar.

  1. a) Os discípulos veem Jesus rezar e lhe pedem que os ensine a rezar também. Isso nos diz alguma coisa? (v.1)
  2. b) Jesus ensinou uma oração a ser repetida de cor, ou um jeito de rezar? (v. 2-4)
  3. c) Nós rezamos exatamente as mesmas palavras que, segundo este Evangelho, Jesus ensinou? Quais as diferenças maiores?
  4. d) Por que será que em Lucas faltam “seja feita a vossa vontade” e “livrai-nos do mal”?
  5. e) O que Jesus ensina a gente pedir na oração? É isso o que a gente mais pede nas nossas orações costumeiras?
  6. f) Seguindo a comparação daquele que, de noite, vai bater à porta do vizinho, a gente deve insistir até Deus perder a paciência e dar o que gente está pedindo? (vv. 9-10)
  7. g) Para atender os seus filhos, Deus é pior ou melhor do que os pais e mães de hoje? (vv. 11-13)
  8. h) O que é que Deus não deixa de dar aos filhos que lhe pedem? (v. 13)

 

Meditação. Esse Evangelho, lido dessa forma, diz o quê para você hoje? A sua oração é para pedir pelos teus interesses ou para buscar Deus e preparar bem o seu Reinado?

 

Oração. O que esse Evangelho, te faz dizer a Deus? Use esse tempo para você fazer a sua oração pessoal.

 

Contemplação. O que esse Evangelho, como nós o lemos, mexeu com a sua cabeça, e te fez pensar diferente do que pensava antes? E agora?  O que fazer? Agora é hora de mudar e melhorar a maneira de agir em casa, no trabalho, na comunidade, em toda a parte.

 

Situando o texto dentro do contexto: As comunidades que nos deram este Evangelho valorizavam muito a oração. Eram comunidades de cristãos gentios ou não judeus. Os gentios ou pagãos tinham deuses ou divindades para cada coisa da vida. Os gregos tinham a deusa Ártemis e os romanos a deusa Diana (a deusa da caça, dos animais, da lua, do parto, da virgindade e da fertilidade).

Eles, os pagãos,  traziam,dos costumes de suas antigas religiões, a busca frequente de muitas orações. O Evangelho dos cristãos judeus, o de Mateus, critica essa tendência deles em rezar muito. Diz (Mt 6,7-8): “Quando vocês rezarem, não fiquem tagarelando como os gentios. Eles acham que serão atendidos por causa de seu palavrório. Não sejam iguais a eles, pois o Pai de vocês sabe muito bem do que é que vocês precisam”.No Evangelho segundo Lucas, Jesus reza e reza muito. A  palavra oração é usada cerca de setenta vezes no evangelho de Lucas! É o evangelho que mais apresenta Jesus rezando e convida a comunidade a rezar. Só Lucas coloca Jesus rezando no batismo (3,21), após o milagre (5,16), antes da escolha dos Doze (6,12) e da confissão de Pedro (9,18), no momento da transfiguração (9,28-29) e no Getsêmani (22,46). Esse evangelho insiste na necessidade de rezar sempre e com insistência (11,5-8; 18,1), especialmente nos momentos de dificuldades (22,40.46). É um evangelho que insiste na busca de Deus e não simplesmente no cumprimento da Lei (18,2-14). Com a oração, a comunidade deve manter a fidelidade ao Deus da vida e buscar a solidariedade com as pessoas pobres e excluídas. Jesus não toma uma decisão importante sem primeiro se recolher em oração.

Espelho para a comunidade onde foi escrito: Os discípulos –parece -não participam da oração de Jesus (“estando ele orando”), mas sentem a necessidade de alguma forma de orar parecida com as do Batista (“ensina-nos a orar, como João...”). Esse já tinha feito escola; Jesus ainda não. Estão querendo aprender algumas rezas, que vão decorar e que serão próprias da comunidade que está se organizando. Eles não pedem que Jesus os ensine a rezar como Jesus reza, pedem que  ensine a rezar como João ensinou os seus discípulos. A oração que Jesus faz, ou eles não compreenderam ou não lhes interessou. Mas a oração de Jesus não é para pedir coisas para mim a não ser o perdão e o escapar do erro. A oração de Jesus pede primeiro que aconteça o reinado de Deus, que o mundo deixe de ser governado pelo dinheiro ou pela ideia de competição (vamos ver quem pode mais!). Quando pede o pão, é para hoje apenas, para a necessidade de hoje, não é para guardar, nem para poder vender e ficar rico.A insistência na oração, comparada com aquele que, à noite, vai bater à porta do vizinho, satisfaz a tendência da comunidade, mas lembra principalmente a busca incessante de Deus, que só se encontra se for muito procurado.